A classificação dos anjos e suas funções

Voltamos a abordar o estudo de angelologia em nossa série. O fascínio que é o estudo dos anjos se torna mais atrativo quando abordamos a classificação dos anjos e sua hierarquia no reino celeste. Os anjos são ainda figuras importantes em muitas outras tradições religiosas do passado e do presente, por isso para estudarmos a classificação dos anjos tomaremos como base a Bíblia Sagrada.

  1. Anjos

A palavra anjo é normalmente usada para abordar de forma genérica as criaturas celestes, mas é também expressão de uma das classes desses seres. Essa classe tinha a incumbência de servir como mensageiros de Deus.

A principal de todas as aparições na Bíblia é, o anúncio do nascimento de Cristo. Na ocasião um anjo de nome Gabriel, apareceu a virgem Maria, anunciando o nascimento do “filho do altíssimo” (Lucas 1.26). O mesmo anjo anunciou também o nascimento de João Batista (Lucas 1.19).

Apesar de entendermos que os anjos constituem a classe celestial de seres menos poderosos, é importante saber que, na visão de Deus, não existe o maior ou o menor.

  1. Arcanjos

É o nome dado ao ser que ocupa a segunda classe em sua hierarquia celestial. Arcanjos existem em diversas tradições religiosas, como o judaísmo, o cristianismo e o islamismo. A Bíblia cita apenas o nome de um arcanjo: Miguel.

Na palavra arcanjo o termo “ARC” significa, príncipe. Portanto Arcanjo quer dizer príncipe dos anjos.

No novo testamento a voz de um arcanjo e som da trombeta de Deus serão sinais da segunda vinda de Cristo (1 Tessalonicenses 4.16).

A respeito do número de arcanjos há uma imprecisão teológica. Alguns estudiosos acreditam que existe apenas um arcanjo – o arcanjo Miguel (Daniel 10.13; 12.1; Judas 9) – outros acreditam que exista mais de um arcanjo.

  1. Querubim

Criatura alada que constitui a classe hierárquica dos anjos e talvez a mais complexa de todas as criaturas celestes. Aparece pela primeira vez na no Jardim do Éden, quando foram colocados “para guardar o caminho da árvore da vida” (Gênesis 3.24). Porém as referencias bíblicas nos deixam duas questões – quanto a sua função e seu aspecto.

A Bíblia não deixa clara a função do querubim porém a análise das passagens bíblicas nos levam a acreditar que eles representavam a guarda da santidade divina, ou seja, eles eram representantes da santidade de Deus e da rejeição ao pecado.

Havia dois querubins nas extremidades do propiciatório (cobertura) da arca do pacto no tabernáculo; e, no templo, as tapeçarias do lugar santíssimo eram lavradas com figuras de querubins (Êxodo 26).

É difícil contemplar o aspecto destes seres. A razão humana e a imaginação destes seres são imprecisas. Ezequiel a melhor descrição que ele poderia dar em sua capacidade humana.

“E cada um tinha quatro rostos, como também cada um deles, quatro asas. (…) e as plantas dos seus pés, como planta do pé de uma bezerra, e luziam como a cor de cobre polido (Ezequiel 1.6) (…) uma semelhança de mão de homem, debaixo de suas asas (10.8) (…) cada um tinha quatro rostos: o rosto do primeiro era rosto de querubim, do segundo rosto de homem, do terceiro, rosto de leão e do quarto, rosto de águia (10.14)”.

  1. Serafim

Pode se dizer que os serafins são ministros representantes da glória e soberania de Deus. Eles servem a Deus diretamente em seu trono. Cada um desses seres possuem seis asas. Com duas delas cobrem o rosto, com duas cobrem os pés e com duas deles voam (Isaías 6.2).

A visão destes seres celestes pode ser deslumbrante, já que são eles que formam a guarda pessoal de Deus (não que Ele precise de guardiões) e atestam a glória da Divina Trindade. Com isso concluímos que são grandíssimos em poder e criaturas tão belas que a concepção humana não pode comparar.

Leia também:

Estudo sobre a existência dos Anjos
Angelologia: o número de anjos e sua missão na Terra

Conheça as 5 técnicas que utilizo para ler a Bíblia

Muitas pessoas me perguntam como consegui ler por tantas vezes a Bíblia Sagrada. Este livro com sabedoria milenar reúne princípios que formam um plano de ação para qualquer tipo de situação. Jesus Cristo, por exemplo, frequentemente abordava questões relacionadas ao trabalho, carreira e negócios, além de semear valores e orientar as pessoas a melhorar sua qualidade de vida.

Mas para desfrutar dos ensinamentos da Bíblia é preciso ler e entender os textos contidos neste livro. Para isso, reuni algumas técnicas que utilizo para a leitura da Bíblia.

As técnicas aqui apresentadas foram colocadas em prática desde os meus 9 anos, quando li a Bíblia pela primeira vez, ainda na versão Católica. Desfrute destas orientações, pois meu desejo é que você alcance uma nova dimensão e torne-se uma pessoa bem sucedida.

Conheça agora as 5 técnicas que utilizo na leitura da Bíblia, sempre com a ajuda do Espírito Santo:

1. Não leia por horas, mas divida sua leitura em períodos curtos, não mais do que meia hora de leitura, por duas ou três vezes ao dia. Ler por muitas horas seguidas pode ser cansativo e você pode acabar não aprendendo ou não prestando atenção nos textos.

2. Não leia se estiver cansado ou estressado. Você quer entender a Palavra de Deus e crescer em conhecimento. Ler por ler é o mesmo que não ler! Então, não leia se você estiver desconcentrado.

3. Não é preciso reler a passagem que acabou de ler. Muitas pessoas voltam alguns versículos, na tentativa de entendê-los, mas isso pode se tornar um hábito e você irá reler sempre, sem ao menos se dar conta disso.

4. Você precisa de um dicionário. Não adianta ler e ignorar as palavras que não entender. Por isso, leia sempre com um dicionário em mãos.

5. Não pesquise durante a leitura. Não faça pesquisas exaustivas sobre temas específicos dos versículos que estiver lendo. Você pode anotar e depois pesquisar ou estudar sobre o tema, mas não faça isso durante sua leitura, pois isso irá cansá-lo.

Angelologia: o número de anjos e sua missão na Terra

Em nosso estudo sobre Angelologia, a doutrina dos anjos, abordaremos o número de anjos existentes e sua missão na Terra. Apesar de não tornar explícito o número de anjos, a Bíblia deixa a informação de que são muitos. Talvez o mesmo número de homens da terra, talvez um número maior ou até um pouco menor, mas os relatos bíblicos insinuam serem incalculáveis.

A visão de Daniel fala em “milhares de milhares” e “milhões de milhões” (Daniel 7.10), já Jacó em sua visão da escada que tocava o céu, viu “multidões de anjos [que] subiam e desciam” (Gênesis 28.12). João também viu “milhões de milhões” e “milhares de milhares” (Apocalipse 5.11). 

Além disso, quando Jesus esta para ser preso, aproximadamente 600 homens vieram com Judas para levá-lo (uma corte é aproximadamente a décima parte de uma legião ‘1000’), quando Pedro reagiu, cortando a orelha de Malco (João 18.10), Jesus lembra o discípulo que se Ele (Jesus) rogasse ao Pai, receberia o auxílio de 12 legiões de anjos. Uma legião ou tropa, entre os soldados romanos, era equivalente a 6000 homens, ou seja, Deus enviaria 120 anjos para cada soldado romano. Em uma batalha um único anjo feriu 185000 homens (Isaias 37.36) (abordaremos a força dos anjos posteriormente).

Os anjos habitam uma dimensão espiritual, são seres invisíveis aos olhos naturais, mas segundo o propósito de Deus eles podem se fazer visíveis (Mateus 1.20). Portanto, são eles invisíveis ao nosso mundo material, apesar de existirem e estarem a nossa volta.

Mesmo sendo seres superiores a nós, os anjos são “espíritos ministradores, enviados para serviço a favor dos que hão de herdar a salvação” (Hebreus 1.14), estão sempre ao nosso redor (Salmos 34.8) e até trabalham a  nosso favor (Salmos 91), mas sempre sob a ordem do Senhor. Podem colaborar até com o pecador (Atos 8.26,35) e também induzir o pecador (Atos 10.5-6)(ATENÇÃO: Os anjos não são pregadores ou evangelistas, apesar de seguirem as ordens de Deus, eles não são responsáveis pela pregação do evangelho ‘1 Pedro 1.12′).

Nem toda vez que a Bíblia usa a frase “Anjo do Senhor”, esta se referindo aos seres angelicais. Por vezes a frase é usada para designar a manifestação de Cristo no Antigo Testamento. Quando isso acontece recebe o nome de Teofania, pois é Cristo se manifestando em forma corpórea de anjo.

A palavra Teofania (do grego theos = Deus e phanein = aparecer) seria aplicada a qualquer manifestação de Deus, entretanto, os estudiosos têm reservado o termo, para fazer menção a manifestação de Cristo no Antigo Testamento. Tais manifestações não são apropriadas para este tempo, nossos dias, receberam a encarnação do próprio Emanuel (Deus conosco ‘Isaias 7.14′).

O cristão pode adotar métodos anticoncepcionais?

Imagine o mundo sem a presença de crianças! Você irá concordar que elas deixam nosso dia-a-dia mais feliz. Por outro lado, não podemos ignorar as responsabilidades implícitas com o nascimento de um filho. Educação, saúde, boa alimentação, atenção, carinho e todo cuidado que um ser humano exige. Por isso é preciso planejamento financeiro e familiar.

Em países como a China existem medidas restritivas com relação a concepção por motivos indiscutíveis: a população cresceu tanto que o espaço territorial e o desenvolvimento socioeconômico não foram suficientes para comportar tamanho número populacional. Com isso a falta de alimento e a dificuldade em manter uma infraestrutura digna a um ser humano forçaram as restrições – ou, no caso, ao controle da natalidade.

O mandamento de Deus antes da queda do homem no Jardim do Éden foi: “Frutificai, e multiplicai-vos, e enchei a terra, e sujeitai-a” (Gênesis 1.28). Para alguns incautos isso já é motivo suficiente para se opor a qualquer método ou tipo anticoncepcional por um casal cristão. Claro que também existem os liberais, que defendem até mesmo o aborto quando diz respeito ao planejamento familiar. Um triste exagero!

Mas o que a Bíblia diz sobre este assunto? Ou, se não é clara ao abordar o tema, o que podemos aprender com os exemplos na Palavra de Deus? Sabemos que no Antigo Testamento ter filhos, principalmente filhos homens, era uma bênção para a família. Quanto maior a família melhor. Mas encontramos diversos personagens que não podiam ter filhos, como o patriarca Abraão (Gn 11.30), Ana, mãe de Samuel (1 Sm 1.2), etc. Uma mulher estéril naqueles tempos era sinônimo de vergonha. Os filhos eram considerados presentes de Deus, tesouros divinos e simbolizavam a prosperidade de Deus sobre a vida do indivíduo.

No Novo Testamento a coisa não mudou e aqueles que não podiam ter filhos sentiam-se frustrados. Como é o caso de Zacarias esposo de Isabel, que não tinha filhos, pois sua mulher era estéril (Lc 1.14). Além disso, Jesus enaltecia das crianças na sociedade: “Mas Jesus, chamando-os para si, disse: Deixai vir a mim os pequeninos” (Lc 18:16).

E tanto no Novo quanto no Antigo Testamentos houve um controle forçado de natalidade. No Antigo, Faraó, após a morte de José, decretou um controle para que não nascessem filhos homens entre o povo de Israel (Ex 1.15,16), mas Deus interveio. Da mesma forma no Novo Testamento (Mt 2.18), quando Herodes tentou matar o menino Jesus. Mas o anjo apareceu mandando José se retirar com o menino (Mt 2.13).

Quanto ao planejamento familiar, não há referências expressivas na Bíblia. Mas se os filhos são bênçãos para o lar e herança do Senhor, a irresponsabilidade, sub nutrição, mal educação, e o mal cuidado podem desagradar ao Senhor. O casal deve estar preparado emocionalmente, fisicamente, financeiramente e espiritualmente para gerar um filho.

O cristão deve buscar a direção de Deus e se preparar para, ao receber a dádiva da bênção conjugal de gerar uma vida, conseguir dar os cuidados necessários para manter esta vida de forma digna. Boa alimentação para desenvolvimento do novo ser, cuidados com a saúde para não desenvolver deficiências, subnutrição, boa educação para não criar uma pessoa em desvantagem em relação aos demais indivíduos, são algumas das responsabilidades implícitas.

A paternidade deve ser exercida com responsabilidade, isso agrada a Deus. Não esqueça que “tudo tem seu tempo determinado” (Ec 3.1), desta forma o planejamento e o controle deve ser acompanhado de oração.

É moralmente justificável a limitação de filhos por questões socioeconômicas, por saúde da mãe e por planejamento familiar, mas a vaidade é pecado. Evitar ter filhos por questões falaciosas, como evitar filhos para não perder a juventude, ou, para não perder o porte físico, a estética, porque a vida está difícil, para não ter trabalho, porque não acha justo ter filhos em uma sociedade com tantos problemas, são argumentos injustificáveis e que trazem um grande perigo de pecar contra a vontade permissiva de Deus.

Quanto a abstenção sexual, a Bíblia permite, para que se dediquem melhor à oração, “por mútuo consentimento”, num período de tempo (1 Co 7.4,5). Neste caso, podemos entender que o planejamento familiar é também uma questão espiritual, que envolve diversos fatores.

Nossos filhos são em primeiro lugar de Deus, por isso devemos cuidar deles com muita dedicação. “Você não vê que os filhos são o melhor presente de Deus? O fruto do ventre do legado generoso de Deus? (tradução literal de Salmos 127.5).

Encontrado papiro com mais antiga menção à Santa Ceia

A Biblioteca da Universidade John Rylands, Manchester, Inglaterra, anunciou ter encontrado entre sua coleção um documento que pode ser o mais antigo registro descrevendo a santa ceia. Ele seria usado como uma espécie de “amuleto de proteção”.

Material de 1500 de idade mostra como a Bíblia era disseminada na antiguidade. O texto apresenta palavras “mágicas” escritas em um pedaço de papiro reciclado, originalmente usado como uma espécie de nota fiscal da compra de grãos.

A doutora Roberta Mazza, pesquisadora do Instituto de Pesquisa John Rylands, encontrou o ‘amuleto grego’ enquanto estudava milhares de fragmentos de documentos históricos inéditos que são guardados nos cofres da biblioteca.

Os pesquisadores acreditam que o achado poderá lançar uma luz importante sobre o cristianismo primitivo, cerca de apenas 300 anos após a conversão do imperador romano Constantino. O documento estava na biblioteca desde 1901, mas ninguém tinha prestado atenção ao seu significado.

“Esta é uma descoberta importante e inesperada, pois é o documento mais antigo a se referir à Eucaristia. Trata-se de uma combinação de passagens bíblicas, incluindo Salmo 78:23-24, Salmo 148:5, Mateus 26:28-30, entre outros. Um dos trechos diz: “Nosso Deus preparou uma mesa no deserto sagrado para o povo e deu o maná da nova aliança para comer, o corpo imortal do Senhor e o sangue de Cristo derramado por nós na remissão dos pecados”. Com informações Daily Mail e Huffington Post

Estudo sobre a existência dos Anjos

Em teologia sistemática o estudo dos anjos recebe o nome de Angelologia. A palavra deriva do grego: “angelos” = mensageiro e “logia” = estudo. Em um termo geral a palavra é usada para descrever todo o ser com ligação e procedência divina que não façam parte da Santíssima Trindade.

A existência dos anjos remota milênios atrás. Na verdade, não se sabe exatamente em que período do tempo os anjos foram criados. O que se sabe é que a criação destes seres divinos pode ter ocorrido após a criação do terceiro céu. Não o céu que conhecemos, mas propriamente o lugar onde Deus habita. É impossível precisar a data da criação dos anjos. No entanto, é possível estabelecer a ocasião e o contexto histórico para o surgimento dos anjos.

Para colocar em ordem a origem do homem com as explicações da ciência, historiadores acreditam que existiram três jardins. O jardim mineral (Ezequiel 28.13), o jardim vegetal (Ezequiel 31.8,9) e o jardim animal (o que explicaria a existência dos dinossauros). Estes paraísos não eram o mesmo Éden de Adão.

Os anjos foram criados antes da criação da terra. A primeira menção a existência dos anjos no contexto bíblico se dá logo após a expulsão de Adão e Eva do jardim do Edén. A Bíblia em Gênesis 3.24, menciona que um querubim (anjo de uma classe elevada, mais tarde veremos com detalhe sobre a hierarquia dos anjos) foi colocado a entrada do jardim para impedir que o homem retornasse.

No Antigo Testamento a palavra hebraica que se refere aos anjos, é encontrada 108 vezes. Já no Novo Testamento, a forma grega da palavra aparece 165 vezes. Os anjos foram criados com o propósito de adorar e servir a Deus (Isaias 6.3) e por isso eles habitam a mesma esfera espiritual que Deus (Salmos 104.4; Hebreus 1.14). Em uma dimensão superior a nossa.

Os anjos, mesmo sendo espirituais, são seres impares, com características que os distinguem dos demais. São diferentes em todos os sentidos: capacidade, força, sabedoria, poder e em aspectos físicos.

Pesquisa revela que orar faz bem para a saúde

Uma pesquisa realizada por profissionais da News Max Health sobre os efeitos que a oração provoca no cérebro revelou que há vários benefícios desenvolvidos enquanto a pessoa ora. O foco da pesquisa foi o efeito que a oração provoca no cérebro e o que a prática pode oferecer para a saúde física, mental e emocional do indivíduo.

O resultado foi que a oração realmente pode trazer vários benefícios para a saúde. comunidade médica que participou da pesquisa percebeu que a prática muda as quatro áreas do cérebro humano: Lobo Frontal, o córtex cerebral, o Lobo temporais e o sistema límbico.

Segundo os pesquisadores orar todos os dias durante um mesmo período pode ajudar a prevenir doenças como a perda de memória, a demência e o Mal de Alzheimer. Fora esses os médicos conseguiram perceber 47 benefícios que foram comprovados cientificamente.

A oração pode trazer benefícios psicológicos, diminuir a dor e a frustração, e reduz o risco de morte por ataque cardíaco, derrame cerebral, a ansiedade e a depressão. Fora isso ficou provado que orar melhora o sistema imunológico e outros sistemas.

Descoberta de fóssil de cobra com 4 patas confirma relato bíblico

A arqueologia tem sido um instrumento importante na reconstrução da história da humanidade ao longo dos séculos. Apesar de muitos acreditarem que essa ciência poderia colocar em xeque a confiabilidade da Bíblia, as descobertas mostram exatamente o contrário.

A descoberta de um fóssil de uma espécie de cobra extinta comprovaria os relatos bíblicos do livro de Gênesis, que afirma que as serpentes foram condenadas a se arrastar.

No relato bíblico Deus lançou uma maldição sobre os ofídios, por ter enganado o homem e a mulher. A descoberta revelada pela conceituada revista “Science” comprova que as serpentes já andaram sobre patas.

A espécie de cobra com quatro patas teria vivido no Brasil e é a primeira que se tem notícia. Os cientistas afirmam que o fóssil remete há 120 milhões de anos e que a espécie teria vivido na Bacia do Araripe, no Ceará.

Os fósseis do animal com patas descobertos anteriormente eram sempre de espécies com duas patas e com formação defeituosa. A descoberta deste exemplar com quatro patas funcionais, comprova os relatos defendidos por criacionistas. Com informações de National Geographic

Igreja de 1500 anos é encontrada em Israel

Israel ainda guarda descobertas arqueológicas que comprovam os relatos de milhares de anos sobre o crescimento da igreja. A descoberta de uma igreja bizantina de 1.500 anos de idade é prova disso.

A igreja foi encontrada durante escavações para ampliação da Rodovia 1, que liga Jerusalém com Tel Aviv. Os estudiosos acreditam que o local servia para atender viajantes que se dirigiam a capital.

O achado arqueológico tem as medidas de 16 metros de comprimento com uma capela lateral de 6,5 por 3,5 metros. Em um local próximo da igreja há uma fonte de água conhecida em Árabe como Ein Naga nos arredores de Bet Negofa.

Com o piso em mosaico branco, na igreja existe um batistério em formato de árvore de quatro folhas e paredes decoradas com afrescos. No templo também havia quartos com grandes quantidades de azulejos de cerâmica, lâmpadas, moedas, copos de vidro, fragmentos de mármore e conchas de madrepérolas.

8 livros que todo cristão deveria ler

01. A Bíblia – Diversos Escritores

A Bíblia Sagrada é um compêndio de livros insperados por Deus (2 Timóteo 3.16). Escrita por cerca de 40 pessoas entre 1500 e 450 a.C. (livros do Antigo Testamento) e entre 45 e 90 d.C. (livros do Novo Testamento), totalizando um período de quase 1600 anos, a Bíblia Sagrada é o livro mais vendido de todos os tempos, com mais de seis bilhões de cópias.

02. O Peregrino – John Bunyan

Uma das narrativas mais emocionantes sobre as verdades centrais da fé cristã, o livro O Peregrino relata a viagem de Cristão, um personagem espiritualmente abatido que viaja rumo à Cidade Celestial. No decorrer da aventura, ele se encontra com personagens de carne e osso, mas que possuem nomes alegóricos, tais como Evangelista, Adulação, Malícia, Apoliom e Vigilância. Passa por lugares sombrios e medonhos, como o Desfiladeiro do Desespero, o Pântano da Desconfiança, a Feira das Vaidades e o Rio da Morte. Surge em cada encruzilhada um novo desafio que ameaça sua chegada ao destino final.

03. Uma vida com propósitos – Rick Warren

Este livro o ajudará a entender o maravilhoso plano de Deus para sua vida, tanto para hoje quanto para a eternidade. “Uma Vida com Propósitos” é um manual para viver no século 21 um estilo de vida fundamentado nos propósitos eternos de Deus, e não em valores culturais.

04. Mais que um carpinteiro – Josh McDowell

Na tentativa de provar que os argumentos históricos da ressurreição eram frágeis e que Jesus Cristo não passava de uma ficção, Josh McDowell passa meses pesquisando em bibliotecas dos Estados Unidos e Europa. No final acaba levando um susto, pois descobre que os documentos que faziam parte do Antigo e do Novo Testamento bíblico eram os mais confiáveis da História antiga.

05. Por que tarda o pleno avivamento? – Leonard Ravenhill

Muitos perguntam: Por que tarda o pleno avivamento? Ravenhill responde com palavras incisivas e inconfundíveis visando despertar uma igreja confusa, mundana e enfraquecida, para um grande derramamento do Espírito Santo de Deus, que a capacitará a cumprir o seu papel de Família de Deus, Corpo, Noiva e Habitação de Cristo.

06. Por que tarda o pleno avivamento? – David Wilkersononard Ravenhill

Conheça a história de David Wilkerson, jovem pastor de uma cidade pequena, que começou uma campanha solitária ¿ e aparentemente condenada ao fracasso. Foi para o submundo de Nova Iorque para pregar o evangelho libertador às quadrilhas de jovens viciados em drogas, maus e violentos daquela cidade. A princípio zombavam e ameaçavam. Mas, um dia, aconteceu o milagre desejado… líderes se ajoelhavam na rua para orar, enquanto seus amigos observavam quase não acreditando no que estava acontecendo… A Cruz e o Punhal é a história comovente e emocionante do trabalho desse pastor no coração de uma das maiores metrópoles do mundo.

07. O evangelho maltrapilho – Brennan Manning

O escândalo da graça. O Evangelho Maltrapilho foi escrito para pessoas aniquiladas, derrotadas e exauridas. Pessoas que se acham indignas de receber o amor de Deus. Quem sabe, ignoradas pela comunidade de cristãos por não se encaixarem no perfil de super-homem ou de supermulher que lhes é constantemente exigido. Pessoas cansadas da espiritualidade superficial e consumista. Pessoas que travam inúmeras batalhas interiores por não se sentirem parte de uma comunidade afetiva e acolhedora.

08. As 25 Leis Bíblicas do Sucesso – William Douglas e Rubens Teixeira

A Bíblia é o melhor manual sobre o sucesso já escrito até hoje. Ao contrário do que se imagina, ela não trata apenas de religião, mas também de valores fundamentais para se construir uma base sólida para a vida profissional. São lições sobre a importância do esforço e da dedicação ao trabalho, da incansável busca de conhecimento e evolução pessoal, do respeito aos outros e, acima de tudo, de um forte senso de honestidade.